Prefeitos do G4 Vale do Aço buscam alternativa para reajuste da tarifa do transporte público municipal

 16/05/2022 17:05

COMPARTILHAR

Prefeitos do G4 Vale do Aço buscam alternativa para reajuste da tarifa do transporte público municipal
Prefeitos do G4 Vale do Aço buscam alternativa para reajuste da tarifa do transporte público municipal

Os prefeitos das quatro maiores cidades do Vale do Aço, que formam o G4 da Região Metropolitana, se reuniram nesta segunda-feira (16/5), em Coronel Fabriciano. Em pauta, o a proposta de reajuste da tarifa do transporte público, encaminhada pelo consórcio de empresas que operam nas linhas municipais.

 

Os prefeitos buscam o entendimento, de forma garantir a continuidade do serviço pelo consórcio, mas sem onerar tanto o usuário. Os gestores do Vale do Aço também buscam melhorias e adequações nas linhas municipais.

 

As empresas pedem o reajuste de 59%, com base no IGPM de setembro de 2019 a abril 2022, uma vez que os valores ficaram congelados por dois anos. Em cada município é praticado um valor. No caso da demanda do Consórcio para Fabriciano, elevaria a tarifa de R$ 4,10 para R$ 7,50.

 

Os prefeitos descartam tal margem, mas entendem que houve nos últimos anos , aumento nos custos para as empresas, sobretudo, do combustível que é o principal insumo. As planilhas ainda estão sob estudo e uma das saídas possíveis é a definição de valor único da tarifa para as quatro cidades.

 

Uma nova reunião do G4 está prevista para a próxima sexta-feira (20/5).

 

O prefeito de Coronel Fabriciano, Marcos Vinícius Silva Bizarro, foi o anfitrião e recebeu os prefeitos de Santana do Paraíso, Bruno Morato, e o prefeito de Timóteo, Douglas Willkys. Gustavo Nunes, prefeito de Ipatinga, participou remotamente.

 

LINHAS INTERMUNICIPAIS

Desde segunda-feira (16/5), o transporte coletivo intermunicipal já roda com nova tarifa. O reajuste foi de R$ 17,54% para ônibus que trafegam em trechos asfaltados e de 16.88% em estradas não pavimentadas. As empresas pediam reajuste de 20%. É importante reforçar que o índice é negociado e autorizado pelo governo do Estado, uma vez que os municípios não têm a competência legal de regulamentar sob o transporte intermunicipal.

 

O reajuste concedido ao transporte intermunicipal já provocou um aumento de R$ 18 mil mensais nas despesas da Prefeitura de Fabriciano com o vale transporte dos servidores municipais.